Aluno ARTEAM ganha a 9ª edição do Prémio António Manuel Couto Viana



Rafael Azevedo, pseudónimo de Luís  Dias, aluno do 12°ano do CISP da ARTEAM, foi o vencedor do Prémio Escolar António Manuel Couto Viana, na modalidade Poesia - ensino secundário, com o poema “Fim, demasiado.”

Este concurso, criado pela Câmara Municipal de Viana do Castelo e dinamizado pela Biblioteca Municipal em homenagem à vida e obra do escritor vianense António Manuel Couto Viana, tem como objetivos dar a conhecer a obra literária do autor e premiar o talento literário e artístico da comunidade escolar vianense.


Parabéns, Luís Dias!!

O que nos une é a música e a poesia também.



Fim, demasiado.


O relógio é o metrônomo da vida e eu ouço-o, entre o vazio da escuridão, entre o ar que me separa dela.

O relógio é o metrônomo da vida e nada vejo se não a negação a amar, entre a negação a olhares, entre a negação a palavras.

O relógio é o metrônomo da vida e está parado, diante de mim e dela, diante o tudo que se tornou em nada, dia(m)ante de falta de razão.


Tentei olhar(-te) mas não obtive (a) resposta, a crise das palavras passou, agora existem demasiadas e nenhuma delas é “amo(r)-(te)”.

Tentei sentir(-te) mas a tua pele não respondeu, a minha máquina parou, eterno velório de mim entre nada e tu(do).

Tentei amar(-te) mas nem por palavras, nem pela razão, muito menos pelo coração.


Coração, sim, respondeste. Com!? Dor.


Agora a crise, infelizmente, passou.

Passou para todo o futuro e preencheu todo o presente. O meu presente, ainda o guardo.


Estavas diante dos meus olhos, acreditas que não te vi!? Eu sei que não acreditas...

Senti demasiado para fingir que não estavas lá. Senti tudo o que rima com dor. Afinal há razão, senti amor e nem tu o podes negar - confessa!


Estava à distância de um abraço, até de um beijo... mas nem de um olhar quiseste me relembrar(-te).


(O que quero?)

Amar-te.

(O que quero?)

De uma vez por todas.


Fugi, demasiado.

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência. Leia mais
Ok